Canal Comunitário
Quinta, 22 de Junho de 2017
Ouvir Radio
busca
Buscar
Enviar este texto para um amigo          Imprimir este texto            Confira mais notícias relacionadas                         Mude o tamanho do texto Fonte 12 Fonte 14 Fonte 16
Vila Canoas, em São Conrado, foi legalizada só no papel
A 'favelinha' como é conhecida a ordeira comunidade de São Conrado ainda espera o cumprimento do decreto municipal que classificou a comunidade como Área Especial de Interesse Social
Vila Canoas, em São Conrado, foi legalizada só no papelIracilda Gomes da Silva, presidente da Associação de Moradores. Foto: Marcelo Piu

O prefeito Eduardo Paes disse em janeiro de 2009 que a comunidade de Vila Canoas, em São Conrado, seria o projeto piloto do reordenamento das favelas da cidade. Um ano e meio depois do decreto que legalizou as casas da comunidade e estabeleceu parâmetros do uso do solo, porém, os moradores ainda não receberam melhorias.

Segundo o decreto 30.400, de 9 de janeiro do ano passado, a favela foi classificada como Área Especial de Interesse Social, ou seja, as casas foram legalizadas, e os moradores deveriam ganhar habite-se, além de obedecer a novas regras. A prefeitura decidiu que as construções devem ter, no máximo, três andares. Várias casas foram construídas à beira do Rio Canoas, que corta a comunidade, e correm riscos estruturais.


Vila das Canoas tem quase 30% dos imóveis em áreas de risco


Dados da Secretaria municipal de Urbanismo mostram que a Favela de Vila Canoas (São Conrado), escolhida pelo prefeito Eduardo Paes como projeto-piloto de regularização das 968 comunidades da cidade, têm 136 dos 458 imóveis (29,69% do total) localizadas em áreas de risco. Conforme reportagem publicada no jornal O Globo ( acesso à integra somente para assinantes ), as casas foram erguidas na faixa marginal de proteção do riacho Canoas (estão a menos de 50 metros do leito) e os moradores esperam há mais de dez anos para ser reassentados.

Em Vila Canoas existem construções com até seis pavimentos (Estrada da Gávea). As 136 casas deveriam ter sido removidas pelo projeto Bairrinho que no fim da década de 90 urbanizou a favela com recursos a fundo perdido da União Européia. O dinheiro, que também foi usado para a implantação de um Posto de Saúde da Família e de uma creche, entanto não foi suficiente para os reassentamentos. Originalmente, eles seriam transferidos para um terreno que pertencia ao Gávea Golf Club.

O secretário municipal de Habitação, Jorge Bittar, prometeu uma solução para essas famílias até o fim do semestre. ele disse que uma nova área está sendo procurada para reassentar os moradores. Ainda sem saber o custo do projeto, informou que os recursos virão do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social e do Fundo Estadual de Copnservação Ambiental (Fecam).



Fonte: Da redação Rocinha.org com informações de Flavio Taback
Enviar este texto para um amigo          Imprimir este texto            Confira mais notícias relacionadas                        
Faça seus comentários a respeito deste texto
Dê sua opinião
marcelo irmao do carlos enrrique,cunhado da soni que mora perto da padaria [voce me conhece iraci]
Postado 18/12/2011 18:14:20
me a juda pede para a sonia me ligar eu estou em mato grosso sou pr.da mundial eu etou super bem mais estou com saudade de todos me a juda.065]99439803]81325791] a sonia do marcio que mora perto da padaria eu perdi o contato de todos. obrigado.da o meu imail para eles
O mais autêntico Blog da Rocinha. Matérias dos tempos antigos e posts do primeiro site www.rocinha.org estão na área de Blog

© Copyright 2007-2015  ® Todos os direitos reservados