Canal Comunitário
Sábado, 21 de Outubro de 2017
Ouvir Radio
busca
Buscar
Enviar este texto para um amigo          Imprimir este texto            Confira mais notícias relacionadas                         Mude o tamanho do texto Fonte 12 Fonte 14 Fonte 16
Rocinha ganha oitenta câmeras para combater violência
A Rocinha, maior favela da cidade do Rio de Janeiro, ganhou 80 câmeras de vigilância que funcionam 24h por dia e ajudam os 700 policias que monitoram a região
Rocinha ganha oitenta câmeras para combater violênciaO tenente Neyfson Borges, subcomandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, disse a INFO que a PM instalou as câmeras em ruas de acesso ao morro e vias principais. “As vielas servem de rota de fuga de marginais e tráfico de drogas. A região conta com bancos, casas lotéricas e estabelecimentos comerciais, e a infraestrutura ajuda a monitorar o morro para diminuir o índice de criminalidade”, afirma Borges.

As gravações feitas pelas câmeras ajudam a combater o crime e solucionar outros problemas como identificação de motoristas envolvidos em acidentes de trânsito. “Há também denúncias de moradores contra policiais. Todos os casos de abusos serão avaliados por meio das filmagens”, diz o tenente.

Os vídeos são arquivados durante um mês em um sistema de backup. Cada um dos vídeos recebe uma marca d´agua, que certifica a data e hora do processamento do arquivo. O policial que acessa o conteúdo precisa usar uma certificação digital que assina a visualização das imagens.

Cada uma das câmeras consegue atingir um ângulo de 360 graus, aproximar a imagem em 36 vezes e filmar no escuro com a tecnologia de LED infravermelho. Já a conexão entre os equipamentos e a central que recebe as imagens é feita com cabos de fibra ótica.

A central da UPP, que fica no topo do morro, conta com duas equipes. Três policiais fazem parte de um grupo de monitoramento, que verificam as imagens durante todo o dia. As equipes são revezadas a cada 12 horas. Um segundo grupo fica na sala de operações e apenas recebe as características de infratores e repassam as características físicas aos policiais que fazem a segurança das vielas.

Em casos de falta de energia elétrica, o sistema das câmeras funciona até 10 horas com a ajuda de baterias. “As coordenadas são repassadas imediatamente por meio de rádio para os outros policiais. Contamos com um sistema integrado com o GPS, que permite verificar a distância de cada um dos agentes. Outro dia apreendemos a droga de um traficante que escondia o material sob uma telha”, diz Borges.

O tenente contou também que um morador tentou quebrar a infraestrutura com um bambu e foi surpreendido pelos policiais. “Cada câmera consegue monitorar o outro equipamento”, explica.

Borges afirma que os carros não conseguem passar em 90% das estreitas vielas da Rocinha e as câmeras funcionam como policiais nestas regiões. “Elas não sentem fome, nunca ficam doentes, não recebem salários, trabalham durante 24h e enxergam melhor que o olho humano”, comenta.



Fonte: Rafael Ferrer
Enviar este texto para um amigo          Imprimir este texto            Confira mais notícias relacionadas                        
Faça seus comentários a respeito deste texto
Dê sua opinião
Não há Comentários publicados.

O mais autêntico Blog da Rocinha. Matérias dos tempos antigos e posts do primeiro site www.rocinha.org estão na área de Blog

© Copyright 2007-2015  ® Todos os direitos reservados