Canal Comunitário
Quarta, 23 de Agosto de 2017
Ouvir Radio
busca
Buscar
Enviar este texto para um amigo          Imprimir este texto            Confira mais notícias relacionadas                         Mude o tamanho do texto Fonte 12 Fonte 14 Fonte 16
Mc escreve funk que prega a morte de um PM do 1º Batalhão
Mc escreve funk que prega a morte de um PM do 1º Batalhão

Douglas tem medo de represálias. Foto: Andrea Graiz

Trinta minutos. Esse foi o tempo que Douglas de Souza Ribeiro, o MC DS, 19 anos, levou para compor o funk que provocou uma operação da BM na Vila Cruzeiro, na Capital, durante todo o final de semana. Douglas é o terceiro dos sete filhos que a doméstica Sueli de Souza, 47 anos, criou na vila.

Com medo das represálias, ele saiu de casa. Disse que sua mãe e seus irmãos foram intimidados. O MC, que trabalha como carregador em uma empresa de mudanças, já gravou funks falando da vida de quem entrou para o crime, contou que a música foi apenas um desabafo. Ele conversou com o Diário Gaúcho ontem à tarde.



DG – Foi você que fez o funk?

Douglas –
Fiz. Eu mesmo coloquei a batida e os efeitos. É tudo efeito. Eu levei uns 30 minutos para fazer aquela letra.

DG – E por quê?

Douglas –
Fiz essa música porque ele (policial citado no funk) me abordou e me humilhou. Isso foi há um mês e meio. Ele me fez abaixar as calças e a cueca na frente de todo mundo. Eles revistaram um monte de gente em frente a um barzinho. Aí, ele pegou R$ 120 que eu tinha no bolso. O soldado 21 (apelido de outro PM) me liberou do paredão, e eu fui pedir o dinheiro para ele.

DG – E o que aconteceu?

Douglas –
Ele disse que não iria me devolver e que não tinha mandado sair do paredão. Daí, ele me colocou na viatura e disse para minha mãe que iria me levar para a delegacia. Só que me levou ao Anfiteatro Pôr-do-Sol.

DG – E o que aconteceu lá?

Douglas –
Ele disse que iria me matar. O soldado 21 estava com ele. Ele me obrigou a dizer que eu era traficante, que se eu não dissesse ele iria me enxertar.

DG – E depois?

Douglas –
Ele queria que eu desse nome de traficantes. Mas eu não sei. Ele me levou no 1º BPM, e largou o 21. Aí, passou num ponto de tráfico. Ele acabou me deixando no posto da Brigada e disse: “não fala nada e segue”.

DG – Quanto tempo depois você fez esse funk?

Douglas –
Faz duas semanas. Daí, eu coloquei no celular e comecei a espalhar. Alguém ia ter que me ouvir. Ele pega, entra na casa de trabalhador, esculacha as famílias. Daí, todo mundo fica quieto. Vai na corregedoria, falam dele, e a polícia abafa.

DG – Você registrou?

Douglas –
Não, eu estava com medo. E eu nem quis. Eles estão falando agora que vão me matar.

- “Por que ele não fez a queixa?”

Procurado pela reportagem sobre as acusações de Douglas à conduta de PMs do 1º BPM, o comandante do batalhão, major Jairo de Oliveira Martins, disse que não vai se pronunciar.

– Eu não entro em acareação com esse tipo de pessoa. Isso de alegar que PMs pegaram dinheiro ou enxertaram drogas é o que eu mais vejo no dia a dia. Entramos mesmo na casa de trabalhadores, como ele diz, onde sempre encontramos 50 pedras de crack, por exemplo. Trabalhadores do crime, isso sim – comentou o major.

Ainda sobre as declarações do MC, o comandante indagou:

– E por que ele até agora não procurou os órgãos competentes para fazer a queixa?


VER MATÉRIA ORIGINAL NO: DIÁRIO GAÚCHO



Fonte: Carolina Rocha. Colaborou Mariana Mondini
Enviar este texto para um amigo          Imprimir este texto            Confira mais notícias relacionadas                        
Faça seus comentários a respeito deste texto
Dê sua opinião
Não há Comentários publicados.

O mais autêntico Blog da Rocinha. Matérias dos tempos antigos e posts do primeiro site www.rocinha.org estão na área de Blog

© Copyright 2007-2015  ® Todos os direitos reservados